Details

Representações sociais da moradia de comunidades ribeirinhas

by de Santana, Édrija Lucia

Abstract (Summary)
As favelas têm sido uma das alternativas de moradia para os estratos mais pobres da população. Elas crescem nas grandes cidades e respondem ao déficit habitacional no Brasil. Miséria, desemprego, insalubridade e exclusão ficam a nu nessas moradias. Na busca de uma inserção social, essas camadas enfrentam a questão da moradia, impondo-se contra as ordensimpostas pelo urbano e revelando um conjunto de práticas e saberes no seu cotidiano. Essas práticas são dotadas de uma lógica e se constituem em teorias que alicerçam modos de vida e concepção de mundo. A casa é o lugar onde o homem se situa socialmente e pessoalmente no mundo, e urge aprendermos questões que estejam relacionadas à dinâmica subjetiva que envolve o morador e o espaço de moradia. Este estudo buscou apreender como moradores de duas favelas ribeirinhas da Cidade do Recife participantes de um programa habitacional de reassentamento concebem a sua moradia. Que impressões possuem esses moradores acerca de suas casas e de seu ambiente de moradia. Que representações fazem acerca de uma casa e de um lugar ideal para morar. Realizamos 12 entrevistas nas quais os moradores falaram de sua trajetória de moradia. Observamos moradores (20) em reuniões e oficinas sócio-educativas. Foram utilizados, também, desenhos e produção de imagens dos moradores sobre a comunidade. Como recurso indutor, usamos fotos de vários tipos de casas com o objetivo de permitir uma maior espontaneidade nas respostas dos sujeitos, evitando um ?clima? de investigação ou inquérito. Foi utilizado o programa de análise de dados textuais Alceste. Seis classes de respostas foram analisadas sobre 02 eixos (eixo 1- a casa enquanto significado de propriedade e eixo 2- a casa enquanto significado de proteção e refúgio) e suas variações(atribuição a casa o sentido de referência e liberdade) mostram que os moradores atribuem significados objetivos e subjetivos à casa. E cinco classes de respostas foram analisadas sobre 03 eixos (eixo 1= medo da mudança, eixo 2= tempo e lugar/ desejo de sair, eixo- 3- melhoria das condições de vida ), mostrando que as representações construídas não se vinculam apenas ao novo local de moradia, mas à nova rede de interações sociais que irão se estabelecer. O reconhecimento que a mudança irá trazer melhoria nas condições de vida não impede que esses moradores resistam à idéia de sair do ambiente que vivem, ora porque criaram laços no local, ora porque a nova rede de relações sociais é percebida como uma grande ameaça. A casa era uma necessidade e um direito do ser humano. As representações apreendidas reavivaram esse sentido que parecem haver sido perdidos diante da especulação imobiliária e dos interesses econômicos. A casa não era apenas um produto de mercado. Tê-la significava sentir-se seguro, orientado e distinto. Enquanto objeto social, a casa interagia com a rua e com o mundo social. Era um lugar que, a partir dele, os sujeitos podiam se posicionar e se reconhecer
This document abstract is also available in English.
Bibliographical Information:

Advisor:Maria de Fátima de Souza Santos

School:Universidade Federal de Pernambuco

School Location:Brazil

Source Type:Master's Thesis

Keywords:SERVICO SOCIAL Representação Social Favela Casa

ISBN:

Date of Publication:08/08/2003

© 2009 OpenThesis.org. All Rights Reserved.