Details

Trauma craniencefálico leve: avaliação tardia da qualidade de vida e alterações neuropsicológicas

by de Almeida, Daniela Paoli

Abstract (Summary)
Trauma de crânio leve (TCE leve) é definido como um déficit neurológico transitório que ocorre após um trauma incluindo história de náuseas, vômitos, cefaléia ou tontura acompanhada de alteração ou perda da consciência com duração inferior a 15 minutos, amnésia pós traumática e Escala de Coma de Glasgow entre 13 e 15. Apesar da alta taxa de sobrevida, pode cursar com alguma morbidade, principalmente nos três primeiros meses posteriores ao trauma e cerca de 18 % dos pacientes desenvolvem pelo menos uma síndrome psiquiátrica no primeiro ano após o acidente. O diagnóstico ainda é um desafio no sentido de minimizar-se gastos desnecessários com exames subsidiários entretanto, intervenções precoces podem evitar seqüelas. Nosso objetivo foi verificar o impacto do TCE leve na qualidade de vida de suas vítimas e diagnosticar as várias alterações neuropsicológicas que podem advir deste trauma. Esses alterações podem ser verificadas através de instrumentos de pesquisa. Inicialmente, foram avaliadas cinqüenta vítimas com TCE leve, atendidas no Hospital João XXIII, em Belo Horizonte - MG, as quais foram submetidas a dosagem de proteína S100B e tomografia de crânio (TCC) na admissão. Nessa fase, verificou-se que a proteína S100B tem valor preditivo negativo de 100%. Dezoito meses após o trauma, esses pacientes foram procurados em suas residências, quando foi lhes solicitado para que respondessem a quatro instrumentos de pesquisa [dois para diagnóstico de qualidade de vida (World Health Organization WHOQOL-100), e o Short Form-36 (SF-36), um para análise da presença de ansiedade e depressão (Escala Hospitalar de Ansiedade e Depressão (EHAD) e o Questionário de Sinais e Sintomas (QSS), baseado no Post Concussion Questionnaire] com o objetivo de pesquisar a presença de sinais e sintomas da síndrome pós-concussão. Também foram pesquisados aspectos sociodemográficos, como idade, escolaridade, estado civil, renda pessoal e origem desta renda. Os mesmos questionários foram preenchidos por um grupo de controle composto, necessariamente, por coabitantes dos pacientes, sem história de trauma craniano de qualquer gravidade e com idade a mais próxima possível da do paciente. Na avaliação pelo WHOQOL-100, pacientes apresentaram qualidade de vida inferior nos domínios nível de independência, ambiente e no total de domínios (p< 0,05). Na avaliação do SF-36, pacientes revelaram qualidade de vida inferior nos domínios capacidade funcional, vitalidade, saúde mental (p<0,001), dor, estado geral de saúde e aspectos mentais (p<0,05). Pacientes apresentaram mais ansiedade e estavam uma classe acima de seus controles pela EHAD. Pacientes referem ainda número maior de sinais e sintomas da síndrome pós-concussão do que seus respectivos controles. Não verificamos correlação entre a qualidade de vida, classificação na EHAD ou número de sinais e sintomas da SPC com as dosagens de proteína S100B ou com a presença de lesão na TCC realizadas na admissão
This document abstract is also available in English.
Bibliographical Information:

Advisor:Luiz Francisco Poli de Figueiredo; Maria Jose Carvalho Carmona; Sérgio Cavalheiro; Eduardo Genaro Mutarelli; Guilherme Carvalhal Ribas; Luiz Francisco Poli de Figueiredo

School:Universidade de São Paulo

School Location:Brazil

Source Type:Master's Thesis

Keywords: Ansiedade Crânio/lesões Depressão Organização Mundial da Saúde Proteínas S100 Qualidade vida Questionário Síndrome pós-concussão Tomografia

ISBN:

Date of Publication:06/27/2007

© 2009 OpenThesis.org. All Rights Reserved.