Details

Transtorno de adaptação no pós-operatório de crianças e adolescentes

by Neves, Maria Amelia

Abstract (Summary)
Objetivo: Verificar a incidência de Transtorno de Ajustamento (TA) no pósoperatório de crianças submetidas à cirurgia de pequeno e médio porte e sua relação com os seguintes fatores de exposição: sintomas emocionais, comportamentais e somáticos pré-operatórios, eventos de vida (EV) pré e pósoperatórios, tipo de seguridade social. Casuística e Método: estudo longitudinal, observacional, envolvendo 102 crianças, de 4 a 13 anos de idade, conveniadas com planos de saúde público ou privados, submetidas a cirurgias eletivas de pequeno e médio porte, sob anestesia geral. Para detecção de transtornos mentais no préoperatóriofoi aplicado o Questionário de Capacidades e Dificuldades SDQ, parapesquisa de eventos de vida a escala de Coddington e para pesquisa de transtornos mentais pós-operatórios, a Escala de Vernon. No centro cirúrgico avaliou-se o comportamento da criança à indução da anestesia e na recuperação pós-anestésica, utilizando escalas próprias da Instituição onde o trabalho foi realizado. Crianças comtranstorno mentais pós-operatórios foram acompanhadas por até seis meses de pósoperatório. Para o cálculo amostral, um valor de significância de 5%, poder da amostra de 80% e I.C. de 95% foram considerados. Para a análise estatística utilizou-se o programa Epiinfo, versão 3.2 (2004). Variáveis qualitativas foram analisadas pelo teste do qui-quadrado e/ou Fisher e as variáveis quantitativas pelos testes ANOVA e Kruskal-Wallis. A análise de regressão logística foi utilizada para avaliar o efeito independente das variáveis associadas ao TA, que na análise univariada apresentaram p<0,20. Resultados: A prevalência de crianças com alterações ao SDQ no pré-operatório foi elevada (60,8%). As seguintes variáveis se associaram a esta prevalência: situação social e econômica de forma geral, eventos de vida, comorbidades e patologias cirúrgicas. A incidência de TA no pós-operatório da amostra total foi de 52%. Dentre as crianças com sintomas prévios ao SDQ, 57% tiveram TA e dentre as crianças sem sintomas prévios, 36% apresentaram TA. Transtornos mentais pós-operatórios permaneceram até o sexto mês em 15,7% daamostra. Transtornos mentais, possivelmente relacionados ao evento cirúrgico, apareceram precocemente no pré-operatório (9,8%). Na análise de regressão logística quatro variáveis se associaram ao TA: os EV pré-operatórios, os EV indesejáveis no pós-operatório, o tipo de convênio e a idade. Conclusão: O estudo confirma incidência elevada de TA no pós-operatório de crianças e mostra a existência de interação entre o evento representado pela cirurgia com outras variáveis pré-operatórias, tais como, ser caso ao SDQ e vivenciar outros EV que não a cirurgia em foco na causação do TA, confirmando a importância da multiplicidade de fatores em sua gênese. Como resultados originais o estudo sugere fortemente que o evento cirúrgico pode ser determinante de transtornos mentais precoces no pré-operatório e sugere limitações na escala de VERNON, em sua sensibilidade na detecção de sintomas e para a detecção dos efeitos dos EV. Recomenda-se a continuidade da investigação, buscando esclarecer o tipo de interação entre EVdeterminantes de TA, a associação entre a perspectiva de cirurgia e o aparecimento de sintomas e a criação ou aperfeiçoamento de instrumentos para detecção de AC no pós-operatório.
This document abstract is also available in English.
Bibliographical Information:

Advisor:Janete Ricas; Tolomeu Artur Assunção; Maria do Carmo Barros de Melo

School:Universidade Federal de Minas Gerais

School Location:Brazil

Source Type:Master's Thesis

Keywords:Transtornos de adaptação DeCS Dissertação da Faculdade Medicina. UFMG Crianças Cirurgia Psicologia Teses.

ISBN:

Date of Publication:05/30/2007

© 2009 OpenThesis.org. All Rights Reserved.