Details

Por que se incomodar? tem que ficar quieto mesmo!: um estudo em representações sociais sobre o silenciamento na escola

by Marques, Irani Maas

Abstract (Summary)
Este estudo foi desenvolvido no Grupo de pesquisa EduPesquisa da Linha Educação, Estado e Sociedade, com ênfase em Representações Sociais, do Programa de Pós Graduação em Educação da FURB de Blumenau ? SC/ Brasil. Teve como objetivo compreender a representação social de estudantes do ensino fundamental sobre o silenciamento escolar. Parte do pressuposto que a compreensão de valores e concepções de estudantes sobre o silenciamento escolar pode permitir a construção de políticas não excludentes, com reflexos nas diversas formas de gestão da educação. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, desenvolvida com 78 estudantes de oitava série do ensino fundamental de escolas públicas de Timbó, município situado no Vale do Itajaí ? SC/Brasil. Para levantamento da base empírica foi utilizado um questionário com perguntas abertas, semi-abertas e fechadas. O conteúdo foi analisado com base na Teoria das Representações Sociais, levando à definição de trêscategorias. A primeira se refere às atitudes que revelam os sentimentos e atitudes de sujeição dos estudantes. A sujeição pode ser entendida como uma submissão ao constrangimento das leis, como ação internalizada de obediência. A segunda categoria denominada categoria doassujeitamento, da conformação, tratando de conferir ao silenciamento escolar o poder de agir sobre outra pessoa. Os sujeitos da pesquisa revelam-se sujeitos a alguém ou alguma norma, pelo controle e dependência. O silenciamento é uma estratégia de assujeitamento adotada pelos estudantes a fim de promover a obediência as regras e normas. A terceira categoria é apontada pelos sujeitos da pesquisa como importante e necessária. A afetividade representauma disposição interna para compreender, respeitar, proteger, tomar cuidado, ajudar, dialogar, escutar e aceitar o outro. As respostas também revelaram que a disciplina é necessária aoambiente de estudo e que esta, associada ao dever é, no contexto pesquisado, a força imperativa das obrigações morais, que constituem assim, a representação social sobre osilenciamento na escola
This document abstract is also available in English.
Bibliographical Information:

Advisor:Julianne Fischer; Margot Campos Madeira; Neide de Melo Aguiar e Silva

School:Universidade Regional de Blumenau

School Location:Brazil

Source Type:Master's Thesis

Keywords:representações sociais sujeição regras disciplinares EDUCACAO

ISBN:

Date of Publication:09/19/2008

© 2009 OpenThesis.org. All Rights Reserved.