Details

Obesidade infantil: a família como unidade promotora da saúde

by de Oliveira, Klívia Regina

Abstract (Summary)
A família tem um papel preponderante na promoção da saúde infantil, sendo a primeira unidade de cuidado que intervém no processo saúde-doença e a que mais influencia os hábitos de vida da criança. Em relação à alimentação, centra sua atenção na quantidade dos alimentos e não na qualidade da comida. O ato de nutrir a criança ultrapassa o ato biológico, pois está relacionado ao comportamento e às práticas alimentares da família, influenciados pelos meios histórico, social, tecnológico e econômico. Assim, com as mudanças de estilo de vida da família, a criança pode adquirir hábitos alimentares inadequados, resultando na obesidade infantil. Partindo dessa perspectiva, o estudo tem por objetivo compreender o modo de vida das famílias de crianças pré-escolares com risco para obesidade. Para tanto, tornou-se necessário a utilização da Teoria da Diversidade e Universalidade do Cuidado Cultural, de Leininger e do método de Etnoenfermagem, a partir do preenchimento de um formulário estruturado para avaliação antropométrica de 41 crianças pré-escolares matriculadas em duas creches-escolas particulares de Fortaleza, onde 8 apresentaram índice de massa corporal acima do percentil 95 (obesidade); e da realização de entrevistas abertas com as famílias dessas crianças durante o período de três meses, guiadas pelos modelos Observação-Participação-Reflexão (OPR) e Estranho-Amigo. A pesquisa aponta que o tema cultural conviver com filho com risco para obesidade: uma realidade vivenciada pelas famílias possui nuanças relacionadas a comer é mais do que suprir a fome; ser uma criança gorda traz problemas; e conflitos familiares em torno da criança gorda. Sendo assim, as famílias acreditavam que a alimentação da criança era uma atividade humana que deveria ser concedida, independente das suas condições socioeconômicas, dos alimentos serem nutritivos ou não e da quantidade ofertada. O excesso de peso da criança associado ao estigma do gordo e aos prejuízos físicos que pode causar foi pouco considerado pelas famílias, que afirmavam se tratar de uma característica da fase de crescimento infantil. As crianças, por serem o alvo principal de cuidados da família, muitas vezes eram o centro de conflitos familiares, que se apresentavam como disputa de poder entre as gerações e competição entre os pais. Diante dessas apreensões, considera-se que a família é o universo mais afetivo, protetor e compensador da criança, sendo necessário que a Enfermagem adentre e envolva os demais contextos ? escolar e social ? para assim desenvolver ações de prevenção da obesidade infantil, juntamente com familiares e educadores. Isto viria a corroborar com a proposta da Organização Pan-Americana de Saúde de criar Escolas Promotoras de Saúde, a partir de um estímulo a adoção de estilos de vida saudáveis em todos os contextos em que a criança está inserida.
This document abstract is also available in English.
Bibliographical Information:

Advisor:Ana Karina Bezerra Pinheiro; Lorena Barbosa Ximenes; Lígia Barros Costa; Mirna Albuquerque Frota

School:Universidade Federal do Ceará

School Location:Brazil

Source Type:Master's Thesis

Keywords:ENFERMAGEM Obesidade Criança Cultura Enfermagem Educação Alimentar e Nutricional Conduta de Saúde Pediátrica

ISBN:

Date of Publication:01/15/2008

© 2009 OpenThesis.org. All Rights Reserved.