Details

L-deprenil previne alterações neuroquímicas e comportamentais induzidas pela isquemia cerebral transitória

by Maia, Flávio Damasceno

Abstract (Summary)
O trabalho mostra o tratamento e os efeitos do l-deprenil (DEP), no aprendizado, na memória e na peroxidação lipídica em cérebros de ratos submetidos à isquemia cerebral transitória (ICT). Os animais (ratos Wistar, fêmeas, 200-250g) foram submetidos à isquemia cerebral transitória pela oclusão de ambas as artérias carótidas durante 20 minutos e tratados durante 5 dias com DEP (5 e 10 mg/kg). A temperatura retal foi monitorada e mantida em torno de 37ºC através de uma luz incandescente. O mesmo procedimento foi feito no grupo controle + salina, Falso-operado + salina (FO) com exceção do clampeamento das artérias carótidas. No 6º dia após a indução da isquemia, os animais foram submetidos aos testes de atividade locomotora e memória (esquiva passiva, labirinto em T elevado e labirinto aquático de Morris), a seguir foram sacrificados e os cérebros dissecados sobre gelo (hipocampo e córtex temporal) para as determinações de MDA, nitrito/nitrato e atividade da catalase e atividade da protease caspase-3. No protocolo de avaliação da área total do infarto encontramos após 1 hora de ICT uma área de infarto 38,01 ± 3,44% da área total do cérebro, e após 24 horas de ICT uma área de infarto 22,00 ± 2,90% da área total do cérebro. Os parâmetros fisiológicos estudados não mostraram alterações entre os grupos ICT e FO. Nenhuma alteração na atividade locomotora foi detectada nos grupos FO, ICT, Dep 10 + ICT. Porém, um aumento na atividade locomotora foi observado no grupo Dep 5 + ICT (7,37 ± 1, 77, plt; 0,02) quando comparado com o grupo FO, tratado com salina, (4,66 ± 1,54). No teste do Labirinto em T elevado (T Maze) a ICT afetou os processos de aquisição e retenção de memória quando os animais foram testados no mesmo dia (esquiva 1 e 2) quando comparados com o grupo controle (FO). O teste de Kruskall-Wallis mostrou alteração significativa na latência da esquiva inibitória (esquiva 1 e 2 quando comparados com o treino) no falso-operado (FO - treino: 20,34 ± 3,43 s; esquiva 1 - 231,6 ± 34,81 s; esquiva 2 ? 247,8 ± 27,25 s; KW = 19,62, plt; 0,001), e no grupo l-deprenil (5 e 10 mg/kg) + isquemia (Dep 5 ? treino: 110,8 ± 56,16 s; esquiva 1 - 299,8 ± 0,16 s; esquiva 2 ? 260 ± 40,00 s; KW = 9,16, plt; 0,01. Dep 10 ? treino: 29,15 ± 8,64 s; esquiva 1 ? 299,80 ± 0,25 s; esquiva 2 299,8 ± 0,25 s; KW = 6,98, plt; 0,05). Isto indica uma boa aquisição de memória. Portanto, o resultado do grupo ICT + salina indicou um déficit da memória (ICT ? treino: 37,75 ± 11,52 s; esquiva 1 ? 116,30 ± 65,46 s; treino 2 ? 195,00 ± 64,10 s; KW = 3,90, plt; 0,141). Além disso, existiu uma diferença significativa (Teste Mann-Whitney) entre os grupos na esquiva 3 (retenção) quando comparados com o grupo ICT (Dep 5, MW (3) = 18,483, plt; 0,0003, Dep 10, MW (3) = 18,483, plt; 0,003) significando que a retenção da memória foi aumentada pelo tratamento com a droga. No teste da esquiva passiva os animais do grupo controle (FO + salina) apresentaram uma boa retenção da memória, tanto na fase imediata (memória recente - MR), quanto na fase de consolidação (memória tardia - MT), quando comparadas ao treino (ANOVA) (FO + salina (n-7)- treino - 15,94 ± 4,40 s, MR - 138,84 ± 34,60 s, MT - 196,32 ± 34, 71, plt; 0,006). Por outro lado, os animais que sofreram ICT não apresentaram diferença no tempo de latência de entrada no lado escuro quando comparado com o treino, significando um déficit na aprendizagem e memória (ICT (n-7)- treino - 34,37 ± 10,16 s, MR - 105,54 ± 35,21 s, MT - 96,20 ± 33, 44, plt; 0,33), e, portanto dano na aquisição e retenção da memória. Comparando os tratamentos observamos um aumento significativo, no tempo de latência de entrada no lado escuro do aparelho, nos ratos tratados com l-deprenil 5 mg/kg quando avaliados na MR (FO + salina- 138,84 ± 34,60s; ICT - 105,54 ± 35,21; ICT + Dep 5- 198,88 ± 38,42s; ICT + Dep 10- 188,06 ± 34,60s; Kruskall-Wallis, KW-9,66, plt;0,05, Mann-Whitney, Dep 5 vs ICT, plt;0,05), enquanto na MT foi observada uma diminuição significativa, no tempo de latência de entrada no lado escuro do aparelho, nos ratos tratados com l-deprenil (5 e 10 mg/kg) (FO + salina- 196,32 ± 34,71s; ICT - 96,20 ± 33,44s; ICT + Dep 5- 299,83 ± 0,16s; ICT + Dep 10- 264,70 ± 35,28 s; Kruskall-Wallis, KW-14,57, plt;0,05, Mann-Whitney, Dep 5 e Dep 10 vs ICT, plt;0,05), significando melhora no aprendizado do animal fazendo-o lembrar o choque recebido durante o treino e indicando uma reversão da lesão sofrida com a ICT. No teste do Labirinto Aquático (Water Maze) a ICT promoveu um dano da retenção na memória dos animais em relação ao grupo controle (FO), porém o l-deprenil conseguiu reverter o dano na aquisição da memória induzida pela ICT em ambas as doses (5 e 10 mg/kg), observamos também que o grupo Dep 5 obteve um melhor desempenho na aquisição da memória quando comparado com o grupo Dep 10. (FO (n-10): 5,4 ± 0,84s; FO + DEP 10 (n-10): 9,7 ± 2,28s; ICT (n-9): 32,44 ± 2,95s; ICT + DEP 5 (n-8): 12,88 ± 1,4s; ICT + DEP 10 (n-8): 4,5 ± 0,70s; Kruskall-Wallis, KW-29,07, plt;0,05, Mann-Whitney, FO + DEP 10, Dep 5 e Dep 10 vs ICT, plt;0,05). Os ratos submetidos a ICT mostraram um aumento de 71% nos níveis de MDA no hipocampo quando comparados com o grupo controle (FO), e o tratamento com l-deprenil reverteu significativamente este efeito (plt;0,05). Os valores dos níveis de MDA foram trazidos próximos aqueles valores do grupo controle (FO) em relação aos grupos (ICT + DEP 5 e ICT + DEP 10, 34 e 38%, respectivamente) com ambas as doses de l-deprenil mais ICT (Hipocampo - FO (n-7): 45,4 ± 4,45; ICT (n-7): 77,6 ± 8,97; ICT + DEP 5 (n-7): 51,2 ± 1,68; ICT + DEP 10 (n-7): 48,5 ± 6,70 nmoles/g; plt;0,05, ANOVA e Teste de Tukey). No córtex temporal, a ICT não aumentou os níveis de MDA quando comparados com o grupo controle. Portanto, os ratos submetidos a ICT e tratados com altas doses de l-deprenil (10 mg/kg) apresentaram níveis de MDA 30% menor que aqueles mostrados por ambos os grupos FO e ICT (Córtex temporal - FO (n-7): 46,8 ± 4,36; ICT (n-7): 48,7 ± 1,33; ICT + DEP 5 (n-7): 52,5 ± 3,74; ICT + DEP 10 (n-7): 33,4 ± 2,98 nmoles/g; plt;0,05, ANOVA e Teste de Tukey). No hipocampo, os níveis de nitrito foram significativamente aumentados após a ICT quando comparados com o grupo controle FO (82% aumento). O DEP 10 reverteu este efeito e os valores foram trazidos para aqueles do controle. Por outro lado, a isquemia não afetou os níveis de nitrito no córtex, entretanto o DEP 5 diminui significativamente os níveis de nitrito quando comparados com os grupos controle e ICT. A ICT mostrou um aumento em 50 % da atividade da protease caspase-3 no hipocampo; e o tratamento com l-deprenil (10 mg/kg) reverteu este efeito trazendo os valores próximos aos do grupo controle (FO), porém o tratamento com DEP 5 não mostrou o mesmo (Valor da Absorbância: FO ? 0,083 ± 0,006; ICT - 0,124 ± 0,017; ICT + DEP 10 ? 0,080 ± 0,007; ICT + DEP 5 ? 0,125 ± 0,007), porém nos animais controle que receberam tratamento com DEP 10 (FO + DEP 10) a atividade da caspase ? 3 diminui em 99% em relação ao grupo ICT. Em conclusão mostramos que a administração do l-deprenil diariamente por 5 dias melhorou os danos da memória observados após a isquemia cerebral transitória em ratos. A droga protegeu o cérebro contra a hiperperoxidação e formação de radicais livres observados após o dano isquêmico, como diminui a atividade da caspase ? 3. Pelo menos parte desses efeitos é devido ao efeito antioxidante e conseqüentemente inibição da ativação da produção de radicais livres pelo l-deprenil.
This document abstract is also available in English.
Bibliographical Information:

Advisor:Vietla Satyanarayana Rao; Otoni Cardoso do Vale; Glauce Socorro de Barros Viana

School:Universidade Federal do Ceará

School Location:Brazil

Source Type:Master's Thesis

Keywords:Isquemia cerebral transitória Peroxidação lipídica Nitrito Inibidores da Monoaminoxidase Doenças Neurodegenerativas de Lipídeos

ISBN:

Date of Publication:02/05/2004

© 2009 OpenThesis.org. All Rights Reserved.