Details

"Identidade social de usuários, familiares e profissionais em um centro de atenção psicossocial no Rio de Janeiro"

by Mello, Rosâne

Abstract (Summary)
A partir das mudanças que vêm ocorrendo na política de saúde mental, surgiram várias inquietações no que diz respeito aos resultados deste processo para os usuários, familiares, e profissionais dos Centros de Atenção Psicossocial (CAPS). Estas inquietações se estenderam também ao significado que estava sendo constituído por estes sujeitos sobre os CAPS. Surgiu, então, o desejo de estudar as identidades que estão emergindo destes sujeitos que atuam no cenário do CAPS, no que concerne a sua participação e integração a este serviço, como também conhecer os significados que estão sendo construídos a respeito destes serviços. O presente estudo possui os seguintes objetivos: Conhecer a identidade dos usuários, familiares e profissionais que atuam no cenário do CAPS e conhecer os significados relacionados ao CAPS. A pesquisa foi realizada com onze usuários, onze familiares e doze profissionais. O estudo seguiu o caminho teórico-metodológico da Teoria Ego-Ecológica, proposto por Zavalloni. Esta teoria permite conhecer a identidade do indivíduo, suas peculiaridades e sua realidade através da representação que ele possui acerca de si mesmo e do grupo. Esta teoria permite também compreender cada sujeito/identidade inserido em seu contexto, assim como as relações estabelecidas entre ele e seus pares e entre eles e os sujeitos de outros grupos com os quais se relacionam. Esta rede de relacionamentos intra e intergrupal possui significados que o Inventário Multifásico de Identidade Social (IMIS) permitiu conhecer e analisar de forma criteriosa e sensível. Este trabalho revelou o usuário com uma autopercepção fortificada, com esperança de constituir uma nova família e conseguir um emprego digno. Contudo, as mudanças observadas na identidade dos sujeitos com diagnóstico de transtorno mental não se estendem aos seus familiares que continuam sendo vistos de forma negativa, tanto pelos usuários como pelos profissionais. Para que a reabilitação social ocorra os familiares precisam ser incluídos neste processo, precisam se implicar mais no tratamento de seus familiares, e também os usuários e profissionais precisam modificar o modo como percebem e se relacionam com os familiares. O presente estudo mostrou que, apesar das dificuldades encontradas, o modelo psicossocial tem beneficiado a pessoa com transtorno mental, porém observa-se uma certa paralisia no movimento da Reforma Psiquiátrica. Indubitavelmente o modelo psicossocial beneficia a pessoa com transtorno mental severo, contudo, atualmente, corre-se o risco da cronificação destes sujeitos dentro do CAPS. O movimento da Reforma Psiquiátrica conseguiu mostrar que o modelo manicomial é ineficaz no tratamento das pessoas com transtorno mental, porém esse é só o começo do processo de reabilitação psicossocial. Faz-se necessário avançar neste processo e ir além do CAPS para que os usuários alcancem a vida. A falta de medicação e de alimentação, o número insuficiente de serviços e funcionários e a dificuldade em realizar uma assistência adequada vêm sobrecarregando e gerando estresse nos profissionais e, como um dos profissionais entrevistados fala, ?O CAPS é uma estrutura em crescimento, que não sabemos aonde vai dar?.
This document abstract is also available in English.
Bibliographical Information:

Advisor:Antonia Regina Ferreira Furegato; Paulo Duarte de Carvalho Amarante; Maria Cristina Silva Costa; Renata Curi Labate; Denize Cristina de Oliveira; Antonia Regina Ferreira Furegato

School:Universidade de São Paulo

School Location:Brazil

Source Type:Master's Thesis

Keywords:enfermagem familiares e profissionais identidade - usuários reforma dos serviços de saúde psiquiátrica relações interpessoais sistema apoio psicossocial centro atenção

ISBN:

Date of Publication:08/08/2005

© 2009 OpenThesis.org. All Rights Reserved.