Details

"Hepatite B no Município de Ribeirão Preto (SP): um estudo envolvendo cirurgiões-dentistas e auxiliares odontológicos" Hepatitis B on the city of Ribeirão Preto, São Paulo, Brazil: a study envolving dentists and dental assistants

by Rodrigues, Vania Cantarella

Abstract (Summary)
Foi realizada uma pesquisa com cirurgiões-dentistas (CDs) e auxiliares odontológicos (AOs) das redes pública e privada, no município de Ribeirão Preto,SP ? Brasil, com os objetivos de: 1. avaliar a cobertura vacinal e a efetividade da vacinação contra a hepatite B; 2. verificar o uso de equipamentos de proteção individual (EPIs) na rotina de trabalho; 3. verificar a prevalência de marcadores sorológicos do HBV; 4. analisar possíveis associações entre marcadores sorológicos do HBV e alguns fatores de risco de infecção pelo vírus. A pesquisa contou com 338 participantes, de consultórios e clínicas odontológicas ? 201 CDs(26 da rede pública e 175 da rede privada) e 137 AOs (23 da rede pública e 114 da rede privada). Foi aplicado um questionário individual para obter informações referentes a características dos participantes, vacinação contra a hepatite B e fatores de risco relacionados à infecção pelo HBV. Simultaneamente, coletou-se uma amostra de 8 ml de sangue para a pesquisa dos seguintes marcadores sorológicos do HBV: HBsAg, anti-HBc e anti-HBs. Todos os exames foram feitos, através de técnicas imunoenzimáticas, no Laboratório de Sorologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP. Estavam vacinados com três doses ou mais da vacina contra a hepatite B 80,6% dos CDs (80,8% da rede pública e 80,6% da rede privada) e 24,8% dos AOS(82,6% da rede pública e 13,2% da rede privada). A prevalência de anti-HBs entre os vacinados com três doses ou mais da vacina foi de 84,3% - 84,6% entre CDs e 82,8% entre AOs. A prevalência dos marcadores sorológicos do HBV ficou assim distribuída: HBsAg, 0,5% entre CDs, não encontrado entre AOs; anti-HBc, 9,5% entre CDs (IC 95%: 5,4% - 13,5%) e 2,9% entre AOs (IC 95%: 0,1% - 5,7%);anti-HBs, 78,1% entre CDs (IC 95%: 72,3% - 83,8%) e 29,9% entre AOs (IC 95%: 22,2 - 37,6%). Os EPIs mais utilizados pelos CDs eram as luvas, com percentual de 98,0%, e a máscara, com 96,5%, no atendimento de todos os pacientes. Os CDs da rede privada utilizavam os seguintes EPIs: luvas, 97,7%; máscara, 96,0%; óculos de proteção, 70,3%; avental, 55,4%; gorro 32,6%. Os CDs da rede pública usavam os seguintes EPIs: luvas e máscaras, 100,0%; avental, 88,5%; óculos de proteção, 65,4%; gorro, 30,8%. O EPI mais utilizado pelos AOs eram as luvas, com percentual de 97,1%. Os AOs da rede pública utilizavam: luvas, 100,0%; avental, 95,7%; máscara, 78,3%; óculos de proteção; 34,8%; gorro, 17,4%. Os AOs da rede privada utilizavam: luvas, 96,5%; máscara, 37,7%; avental, 28,1%; óculos de proteção, 11,4%; gorro, 10,5%. Dos AOs da rede privada, 3,5% referiram não usar nenhum EPI. O estudo mostrou que a prevalência dos marcadores sorológicos do HBV entre CDs e AOs é semelhante à da população de pacientes de Unidades de Saúde de Ribeirão Preto e que parte dos profissionais, especialmente os AOs, negligenciam a proteção pela imunização ativa e uso de EPIs.
This document abstract is also available in English.
Bibliographical Information:

Advisor:Amaury Lelis Dal Fabbro; Amaury Lelis Dal Fabbro; Alcyone Artioli Machado; Afonso Dinis Costa Passos

School:Universidade de São Paulo

School Location:Brazil

Source Type:Master's Thesis

Keywords: auxiliares odontológicos cirurgiões-dentistas Hepatite B

ISBN:

Date of Publication:02/26/2002

© 2009 OpenThesis.org. All Rights Reserved.