Details

Fatores de risco para mortalidade infantil em município da região metropolitana de Fortaleza: uma análise através do uso vinculado de bancos de dados

by da Silva, Cristiana Ferreira

Abstract (Summary)
Introdução ? O estudo dos fatores de risco dos óbitos entre crianças menores de um ano possibilita a elucidação da rede de eventos determinantes, identificação de grupos expostos, bem como das necessidades de saúde de subgrupos populacionais, permitindo a programação de intervenções voltadas à redução dos óbitos infantis. O interesse em relacionar registros em diferentes bases de dados vem aumentando progressivamente, de acordo com a crescente disponibilidade de grandes bases de dados informatizados na área da saúde. O presente estudo mostra os resultados da linkage das informações dos Sistemas de Informação sobre Nascidos Vivos (SINASC) e sobre Mortalidade (SIM) na determinação das mortes infantis do município de Maracanaú, Ceará.Objetivo ? Analisar fatores de risco para a morte de crianças menores de um ano de idade, do município de Maracanaú, Estado do Ceará, entre os anos de 2000 e 2002, através do uso vinculado das informações do SINASC e SIM.Metodologia ? Estudo do tipo coorte retrospectiva de nascimentos. A população constituiu-se de 11.127 nascimentos vivos com declaração de nascido vivo (DN) preenchida, ocorridos de 01/Jan/2000 a 31/Dez/2002, filhos de mães residentes em Maracanaú e de 119 óbitos infantis relacionados a essa coorte de nascidos vivos, com declaração de óbito (DO) ou instrumento de investigação de óbito infantil preenchidos, ocorridos de 01/Jan/2000 a 31/Dez/2003. Os fatores de risco para a mortalidade infantil foram estimados através da regressão logística. Resultados e Discussão ?O modelo da análise multivariada para a mortalidade infantil mostrou que os nascidos vivos com baixo peso ao nascer apresentaram risco 3 vezes maior de morte antes de completar o primeiro ano de vida quando comparados aos de peso igual ou superior a 2.500g (OR = 3,16; IC95% 1,58-6,35), os nascidos vivos prematuros tiveram risco de morte 2,7 maior do que os de termo (OR = 2,70; IC95% 1,25-5,86), nascidos vivos de mães com o número de consultas pré-natal igual ou menores a 6 (OR = 2,05; IC95% 1,15-3,64) e nascidos vivos cujo escore de Apgar no primeiro (OR = 4,40; IC95% 2,48-7,81) e quinto (OR = 5,5; IC95% 2,75-11,20) minutos de vida foram inferiores a sete. O baixo peso ao nascer, valores do escore de Apgar inferiores a sete no primeiro e quinto minutos de vida, a prematuridade e o número de consultas pré-natal inferiores a seis, apresentaram na coorte em estudo forte associação com a morte antes de completar o primeiro ano de vida, reforçando os estudos descritos na literatura de que são variáveis fortemente preditoras da mortalidade infantil. Esse estudo possibilitou o uso das bases de dados de nascimentos, óbitos através do emprego de procedimento de ligação (linkage), sugerindo o seu emprego por parte do nível municipal de atenção à saúde, bem como a vigilância contínua e oferta de assistência adequada e tecnologicamente avançada em cada um dos níveis de complexidade do sistema local de saúde ao subgrupo de recém-nascidos com maior risco de morte no primeiro ano de vida, além da garantia de assistência pré-natal de qualidade adequadamente conduzido e a organização da assistência em sistemas hierarquizados e regionalizados.
This document abstract is also available in English.
Bibliographical Information:

Advisor:Luciano Lima Correia; Alvaro Jorge Madeiro Leite; Paulo César de Almeida; Nádia Maria Girão Saraiva de Almeida

School:Universidade Federal do Ceará

School Location:Brazil

Source Type:Master's Thesis

Keywords:SAUDE COLETIVA mortalidade infantil sistemas de informação Registros Mortalidade Sistemas Informação Registro Estatísticas Vitais

ISBN:

Date of Publication:05/31/2005

© 2009 OpenThesis.org. All Rights Reserved.