Details

ESTUDO DA INTENSIDADE DE CREPITAÇÃO DEMINÉRIOS GRANULADOS DE MANGANÊS DO BRASIL

by de Abreu, Wanderson Marinho

Abstract (Summary)
Um problema freqüentemente encontrado na rotina de operação dos fornosmetalúrgicos de produção das ligas de manganês é a falta de conhecimento a respeitodas características mineralógicas e metalúrgicas dos granulados de minérios. Nestecontexto, um parâmetro de qualidade de grande importância, e ainda muito poucoestudado, é a crepitação. Este trabalho apresenta um estudo de caracterização física,química e mineralógica, assim como do comportamento da crepitação de três produtosgranulados de minério de manganês, provenientes das três minas mais importantes doBrasil, que são Azul, Morro da Mina e Urucum. São apresentadas análises químicasutilizando técnicas como a espectrometria de emissão atômica e titulação. Acaracterização mineralógica foi desenvolvida por meio da difração de Raios-X e pormicroscopia óptica. As análises de propriedades físicas como determinação dadensidade, superfície específica e porosidade também são apresentadas. Uma vezque as amostras foram caracterizadas, elas foram submetidas a ensaios de crepitaçãonos padrões recomendados pela ISO 8731, salvo a faixa granulométrica utilizada, quefoi a compreendida entre 19 e 6,3mm. Foram estudadas as influências da umidade e detratamento térmico sobre o fenômeno de crepitação. Para a faixa de 19 a 6,3mm,destinada aos ensaios de crepitação, as amostras de granulados de minério demanganês do Azul (MG60), de Urucum (GU) e de Morro da Mina (GMM) apresentamcaracterísticas químicas bem diferentes. Os teores de Mn, Fe e SiO2 para MG60 são,respectivamente, 46,96; 4,12 e 3,99%. Para GMM são, respectivamente, 24,48; 2,89 e23,02%. Para GU são, respectivamente, 32,58; 6,92 e 2,11%. O minério granulado deUrucum é o que possui a maior densidade estrutural (4,41g/cm3), seguido pelo do Azul(4,02g/cm3) e finalmente pelo de Morro da Mina (3,66g/cm3). O minério de Urucum é dotipo oxidado anidro, o minério do Azul é do tipo oxidado hidratado e o de Morro da Minado tipo silicatado carbonatado hidratado. Nos ensaios termogravimétricos, as perdas demassa nas amostras dos granulados estudados estão associadas à decomposiçãotérmica de óxidos (criptomelana, pirolusita e braunita) de carbonatos (rodocrosita) e deconstituintes mineralógicos hidratados (sendo os principais todorokita e anfibólios).Existe uma diferença significativa com relação à intensidade do fenômeno de crepitação dos granulados do Azul, Urucum e Morro da Mina. Os minérios oxidados de Urucum (I-6,3mm = 10%) e do Azul (I-6,3mm = 6%) apresentam alta susceptibilidade quanto àcrepitação. O minério silicatado carbonatado de Morro da Mina não crepita. A umidadeaumentou de forma considerável a intensidade de crepitação dos granulados do Azul ede Urucum. O tratamento térmico de 48 horas a 200oC, em escala de laboratório,reduziu em mais de 60% os índices de crepitação, de ambos granulados.
This document abstract is also available in English.
Bibliographical Information:

Advisor:Cláudio Batista Vieira; Varadarajan Seshadri; Carlos Antônio da Silva; Nelson Jannotti Junior; Fernando Gabriel da Silva Araújo

School:Universidade Federal de Ouro Prêto

School Location:Brazil

Source Type:Master's Thesis

Keywords:1 crepitação teses 2 minérios de manganês 3 ligas ferro i universidade federal ouro preto escola minas ii título engenharia materiais e metalurgica

ISBN:

Date of Publication:12/15/2008

© 2009 OpenThesis.org. All Rights Reserved.