Details

Efeitos das condições de armazenagem sobre a qualidade da soja (Glycine max (L.) Merrill) e do óleo bruto

by de Alencar, Ernandes Rodrigues

Abstract (Summary)
A estimativa para a safra de grãos 2005/06 no Brasil é de cerca de 120 milhões de toneladas. Desse total, o Brasil deve produzir 53 milhões de toneladas de grãos de soja, ou seja, 44% da produção nacional. Entretanto, a produção agrícola brasileira precisa ir ao encontro das exigências internacionais para alcançar o mercado externo, e para isso a manutenção da qualidade dos grãos é essencial. Os grãos de soja apresentam cerca de 20% de teor lipídico e são susceptíveis ao processo de deterioração qualitativa, quando armazenados de forma inadequada, podendo acarretar sérios problemas, como danos à qualidade do óleo bruto, refinado, branqueado e desodorizado. Objetivou-se com este trabalho avaliar as principais alterações qualitativas dos grãos de soja durante o armazenamento e a influência dessas alterações na qualidade do óleo bruto extraído. Utilizaram-se grãos de soja colhidos com teor de água em torno de 18% b.u., que foram secos em secador de camada fixa com ar natural, até teores de água de 11,2, 12,8 e 14,8% b.u. Após a secagem, os grãos foram acondicionados em recipientes de plástico de aproximadamente 3,0 L e armazenados em câmaras do tipo B.O.D., nas temperaturas de 20, 30 e 40 ºC. Para garantir o mesmo teor de água dos grãos de soja durante o armazenamento em diferentes temperaturas, manteve-se a umidade relativa de equilíbrio (URe) previamente calculada para cada combinação de temperatura e teor de água, dentro de cada B.O.D. Utilizou-se um sistema computacional denominado 1-wireTM para aquisição e armazenamento de dados de umidade relativa. A cada 45 dias até 180 dias de armazenamento, foram realizadas análises qualitativas dos grãos e do óleo bruto extraído. Os parâmetros qualitativos dos grãos de soja armazenados com diferentes teores de água e combinações de temperatura e umidade relativa analisados foram: teor de água, classificação, massa específica aparente, condutividade elétrica, germinação, cor e teor de lipídios. A qualidade de óleo bruto extraído dos grãos de soja foi avaliada pelas análises índice de iodo, ácidos graxos livres, índice de peróxido e índice fotométrico de cor. Utilizou-se o delineamento inteiramente casualizado, em parcelas subdivididas, com três repetições. Os tratamentos, combinações de temperatura (20, 30 e 40 ºC) e teor de água (11,2, 12,8 e 14,8% b.u.) foram alocados na parcela, enquanto que a subparcela correspondeu ao período de armazenamento (0, 45, 90, 135, 180 dias), fazendo com que a estrutura de tratamentos correspondesse ao fatorial 3×3×5. As análises dos dados e a interpretação dos resultados obtidos relacionados aos grãos permitiram as seguintes conclusões: para fins de certificação, o armazenamento de soja não é recomendado nas seguintes combinações de teor de água e temperatura: 11,2% b.u. a 40 ºC; 12,8% b.u. a 30 e 40 ºC; e 14,8% b.u. a 20, 30 e 40 ºC; para comercialização de soja dentro dos limites da referência básica, é possível armazenar durante 180 dias grãos com teor de água de até 14,8% b.u. nas temperaturas de 20 e 30 ºC; na temperatura de 40 ºC, somente os grãos com teor de água de 11,2% b.u. poderão ser armazenados por 180 dias; grãos com teor de água de 12,8 e 14,8% b.u. a 40 ºC poderão ser armazenados por 90 e 45 dias, respectivamente. Conclui-se, a partir dos dados obtidos dos parâmetros qualitativos do óleo obtido dos grãos de soja armazenados nas diferentes condições que: o armazenamento de grãos de soja com teor de água de até 14,8% b.u. a 20 ºC não afeta qualitativamente o óleo bruto extraído desses grãos; o óleo bruto obtido de grãos de soja armazenados com teor de água de até 12,8% b.u. a 30 ºC permanece com qualidade satisfatória até 180 dias; não é possível obter óleo bruto, dentro dos padrões de qualidade exigidos para comercialização, de grãos de soja armazenados com teor de água superior a 11,0% b.u., na temperatura de 40 ºC; as características qualitativas dos grãos de soja afetam a qualidade do óleo bruto extraído desses grãos. Como medidas preventivas de manuseio pós-colheita que permitam reduzir os riscos de perdas qualitativas dos grãos e subprodutos de soja, propõe-se: armazenar, a 20 ºC, soja com teor de água de até 15,0% b.u. sem risco de deterioração por até 180 dias; em regiões com temperaturas em torno de 30 ºC, armazenar soja com teor de água de até 13,0% b.u.; não armazenar soja com teor de água superior a 11,0% b.u. em regiões em que a temperatura da massa de grãos possa alcançar 40 ºC, sob o risco de ser acelerado o processo de deterioração dos grãos e subprodutos.
This document abstract is also available in English.
Bibliographical Information:

Advisor:Márcio Arêdes Martins; Adílio Flauzino de Lacerda Filho; Sergio Mauricio Lopes Donzeles; Lêda Rita D'Antonino Faroni; Luís César da Silva

School:Universidade Federal de Viçosa

School Location:Brazil

Source Type:Master's Thesis

Keywords:Soja Óleo de soja Qualidade Armazenamento

ISBN:

Date of Publication:07/28/2006

© 2009 OpenThesis.org. All Rights Reserved.