Details

INFLUÊNCIA DO METABOLISMOEXTRACELULAR DE ATP EM INFECÇÕES PORPARASITOS DO GÊNERO Leishmania

by Almeida Marques, Eduardo de

Abstract (Summary)
Variações nos quadros clínicos da leishmaniose, observadas tanto na doençaem humanos quanto em murinos, sugerem a existência de uma diferenciação,dependente da espécie, na capacidade de parasitos do gênero Leishmania causaremlesões no hospedeiro. A procura de fatores que diferenciam as espécies de Leishmaniaquanto à sua virulência se faz, então, necessária para o entendimento dos mecanismospelos quais esses parasitos causam danos aos seus hospedeiros, possibilitando adescoberta de novas ferramentas de potencial terapêutico contra a leishmaniose.Componentes da via de metabolismo do ATP extracelular são candidatos potenciaispara fatores de virulência desses parasitos, visto que tanto o ATP quanto a adenosina,produto da hidrólise de AMP, são capazes de influenciar a resposta imunológica dohospedeiro e, conseqüentemente, o estabelecimento do parasito. Essa hipótese ésuportada pelo fato da Leishmania necessitar da utilização da via de salvação de purinaspela ação de enzimas, dentre elas as apirases, sobre o ATP extracelular, que possuipropriedades imunoestimulantes, para gerar adenosina, produto da hidrólise do AMPpelas 5?-nucleotidases, cuja importância para o metabolismo do parasito e para aregulação da resposta imune está bem descrita na literatura. Para testar essa hipótese,nós estudamos três espécies de Leishmania com diferentes graus de virulência emcamundongos C57BL/6: a mais virulenta L. amazonensis e as espécies L. braziliensis eL. major. Inicialmente, formas promastigotas metacíclicas e procíclicas desses parasitosforam testadas para sua capacidade de hidrolisar ATP, ADP ou AMP. As formasmetacíclicas (infectantes) de L. amazonensis mostraram maior capacidade de hidrólisepara os três nucleotídeos analisados, quando comparadas com as outras duas espéciesmenos virulentas. Além disso, sua capacidade de hidrólise de ATP foi maior que a dasformas procíclicas da mesma espécie, sugerindo um controle de expressão de ATPasesdependente de metaciclogênese. Posteriormente, foi verificado pelas técnicas de RTPCR,e ?Western blotting? que, a despeito da ocorrência de expressão de mRNA para asisoformas solúvel e de membrana de apirases nas promastigotas metacíclicas das trêsespécies estudadas, somente extratos enriquecidos de membrana de L. amazonensisforam capazes de apresentar reação com anticorpo anti-apirase de T. cruzi. O inóculo depromastigotas metacíclicas desse parasito na presença de suramina, um inibidor de ectoATPases, em camundongos C57BL/6, levou a uma diminuição no tamanho de lesão apartir da quarta semana de infecção e no parasitismo em 7 semanas de infecção. Poroutro lado, a indução de maior atividade 5?-nucleotidásica dos parasitos ou aadministração simultânea de adenosina ao inóculo levou a um aumento transiente notamanho de lesão e a um maior parasitismo em 3 ou 4 semanas de infecção da mesmacepa de camundongos por promastigotas metacíclicas de L. braziliensis, resultadooposto ao obtido após o tratamento, no momento do inóculo, com o bloqueador dereceptores A2B de adenosina, MRS 1754. Em conjunto, esses resultados sugerem que aredução dos níveis de ATP extracelular pela ação de enzimas expressas pelo parasitoe/ou a elevação dos níveis de adenosina podem contribuir para o estabelecimento deparasitos do gênero Leishmania no hospedeiro vertebrado, indicando um possível alvopara futuras intervenções de caráter terapêutico contra as leishmanioses.
This document abstract is also available in English.
Bibliographical Information:

Advisor:Juliana Lopes Rangel Fetto; Alexandre Barbosa Reis; Maria Terezinha Bahia; Nelder de Figueiredo Gontijo; José Roberto Meyer Fernandes; Luis Carlos Crocco Afonso

School:Universidade Federal de Ouro Prêto

School Location:Brazil

Source Type:Master's Thesis

Keywords:1 leishmaniose teses 2 adenosina 3 apirase teses4 nucleotidase i universidade federal de ouro preto ii título imunologia

ISBN:

Date of Publication:03/19/2008

© 2009 OpenThesis.org. All Rights Reserved.