Details

COPI: transgressão e escrita transformista

by Teixeira, Renata Pimentel

Abstract (Summary)
Copi é o pseudônimo sob o qual foi assinada a obra de Raul Damonte Botana, nascido em Buenos Aires, em 1939, e morto em Paris (de Aids), em 1987. Egresso de uma família vinculada à cultura e à política (neto de Natálio Botana, fundador dodiário Crítica), que se opôs à ditadura peronista, por isso acabou por exilar-se no Uruguai e, depois, em Paris; onde se instalou definitivamente, em 1962. Toda sua obra é marcada por humor e grande violência transgressora, além de uma crítica brutal da sociedade contemporânea (especialmente a de seu país de origem). Talvez seja este o motivo de suas peças teatrais não terem estreado na Argentina, a não ser depois de sua morte (com exceção de Un ángel para la señorita Lisca, estreada nos anos 60). A escritura copiana tem forte valor político, e suas novelas são protagonizadas por personagens mutantes, que vivem a homo(sexualidade) e sempre estão envolvidas em processos de travestismos, sadomasoquismos, uso de drogas e mortes: El Uruguayo (1972), Le Bal des folles (1977), Une Langouste pour deux (1978), La Cité des rats (1979), La vida es un tango (1979), La guerre des pedés (1982), Virginia Woolf a encore frappé (1983) y L?Internacionale Argentine (1988). Sob as idéias de ?ficcionalização de si? e ?escrita transformista?, o centro de nosso trabalho é a ficção de Copi
This document abstract is also available in Spanish.
Bibliographical Information:

Advisor:Alfredo Adolfo Cordiviola

School:Universidade Federal de Pernambuco

School Location:Brazil

Source Type:Master's Thesis

Keywords:LETRAS Escrita transformista Ficção latinoamericana contemporânea

ISBN:

Date of Publication:01/16/2007

© 2009 OpenThesis.org. All Rights Reserved.